Dicas de restaurante no sul da Bahia

Lagostas do Guido em Boipeba
Lagostas do Guido em Boipeba
O sul do Bahia não é só o recanto de belas praias. Há diversos restaurantes em Porto Seguro e Trancoso, por exemplo, onde o turista pode apreciar a culinária da região. Confira algumas dicas do Viagem Hoje abaixo.

Trancoso

Para quem gosta de se aventurar por coisas diferentes, o Japaiano é o lugar indicado. Nele há uma mistura entre a culinária baiana e japonesa. O restaurante serve yakissoba de carne de sol, por exemplo. Ainda na linha oriental, o Restaurante da Silvinha serve frutos do mar, além de contar com uma boa variedade de peixes. A Barraca do Jonas também é famosa. Nela estão as moquecas de polvo, peixe e camarão mais famosas da região.

Porto Seguro

O Foliata é ótimo para quem quer fazer refeições rápidas. A padaria tem no cardápio maravilhosos croissants e alfajores. Indo para a culinária regional, a Vanda é um dos lugares mais conhecidos. O restaurante fica de frente para o mar e um dos pratos mais pedidos é a moqueca que vem com peixe, lagosta e polvo. A Tia Nenzinha também é muito famosa pela moqueca. Mas é bom chegar cedo, pois o restaurante está sempre cheio.

Ilhéus

O Bataclan – conhecidíssima boate de “Gabriela”, história do Jorge Amado – atualmente é um complexo com bares e restaurantes. O chef Paulinho Martins é o responsável por fazer os pratos do local. O famoso prato do Bataclan conhecido como Pato da Gabriela é um cozinho com vinho tinto, com arroz branco e molho de cozimento junto com cravo e canela. Além da parte gastronômica, o local conta com shows.

Morro de São Paulo

O restaurante Anis vale a pena a ida já pela vista do pôr-do-sol. O estabelecimento serve as picanhas de cordeiro mais famosas da região, acompanhadas com cuscuz marroquino e molho de ervas. Outro prato muito pedido é o salmão ao molho de alcaparras com legumes.

Boipeba

A Lagosta do Guido deve fazer parte do roteiro. Como o próprio nome do estabelecimento diz a lagosta faz parte do menu e é imperdível. Outro local é o Mar & Coco que segue a mesma linha. Além de lagostas no cardápio, a moqueca é um dos pratos mais famosos. E o Restaurante da Anália é também para quem gosta de frutos do mar. A moqueca de camarão com banana-da-terra e pimenta é o que faz sucesso no estabelecimento.

Itacaré

Para quem gosta de arte deve ir ao La In Restaurante. O estabelecimento une espaço gastronomia com uma galeria de arte. Lá eles servem pratos típicos da região como o peixe assado na folha de bananeira acompanhado de molho de camarão e a moqueca de jabá, por exemplo. Além disso, o s clientes podem apreciar as obras expostas no restaurante.

Foto: riodejaneiroadezembro.wordpress.com 

Dicas para pacotes de viagem

Evitar problemas nos pacotes de viagem
Evitar problemas nos pacotes de viagem
Sair de férias e planejar uma viagem demanda um pouco de tempo. Ainda mais para quem optou por um pacote de viagens. Confira algumas dicas infalíveis para evitar problemas e estresse que os pacotes podem oferecer.

1-Fique de olho não só na agência, mas na operadora

Não é só importante ter atenção ao procurar uma agência de viagens, mas também na operadora do pacote pelo qual você optou. Muitas vezes não é a agência que oferece o serviço e sim uma operadora de viagens. Fica por conta da agência somente organizar o pacote nesses casos.

2- Sempre confira a distância entre as cidades oferecidas no roteiro

Ninguém quer ficar a viagem toda em ônibus ou avião. Ficar na estrada cansa e dependendo se for ficar muito tempo nela, não vale a pena. É imprescindível sempre conferir as cidades que estão no roteiro de viagem. Há muitos pacotes que a pessoa conhece muitas cidades em pouco tempo e acabam não visitando quase nenhum lugar, de tanto tempo que ficam em trânsito. De acordo com Dilcina Monteiro, consultora da operadora Polvani Tours, em entrevista ao IG fala da importância desse detalhe. “Precisa tomar muito cuidado com esse tipo de roteiro. A distância entre cidades, para não ser muito desgastante, tem que ser de, no máximo, 450 quilômetros”, disse.

3- Evite pacotes estilo tour panorâmico

O pior de um pacote de viagem é aqueles que são muito rápidos e que você não conhece o lugar, principalmente aqueles que você conhece cada cidade em um dia ou o hotel/agência colocam inúmeros pontos turísticos no roteiro para fazer em duas horas. Simplesmente desce do ônibus, tira algumas fotos e vai para o próxima parada. Se você é daqueles que gostam de conhecer bem, esses pacotes não vale a pena

4 – Evite pacotes de curta duração

Viagens rápidas e para o exterior acabam sendo cansativas. Por exemplo, não vale a pena sair do Rio ou São Paulo e ir a Nova York para passar somente 3 dias. Ou 2 dias em Londres e 2 dias em Paris. Cidades grandes pedem um tempo de permanência maior, caso contrário o máximo que conseguirá fazer é tirar algumas poucas fotos e não conhecer bem o lugar.

5 – Confira a localização da acomodação

Antes de fechar o pacote de viagem, confira sempre a localização do hotel. Se for muito afastado do centro comercial da cidade ou ser de um lugar de difícil acesso, não vale a pena. O ideal é sempre ficar perto do centro, dos pontos turísticos e dos restaurantes.

Confira mais dicas de viagem no Viagem Hoje:

Foto: travelbandits.blogspot.com

As piscinas térmicas de Budapeste

Piscinas da Szechenyi
Piscinas da Szechenyi
Um dos principais costumes na Hungria é o famoso é a piscina térmica. As água termais de Budapeste, capital do país, são paradas obrigatórias para quem está na cidade. As antigas casas de banho ainda atraem muitos turistas.

As águas termais das casas de banho possuem uma alta concentração de substâncias como magnésio, cálcio e bicarbonato de sódio. Muitos acreditam que elas ajudam a curar várias doenças. Um dos lugares mais famosos da cidade é a Szechenyi,  localizada no Városliget. A instalação possui 15 piscinas e foi inaugurada em 1913.

A entrada na Szechenyi custa entre R$ 30 e R$ 40. Para quem está na Europa com um orçamento curto e está de passagem por Budapeste, vale a pena conhecer o lugar. É um costume bem local que deve ser vivenciado pelos visitantes.  O melhor horário para ir é à noite, não só por ser mais barato mas também pelo fato do prédio ter toda uma iluminação diferente.

Também pelas bandas de Városliget, há uma outra casa de banho famosíssima: a Géllert. Ela é a mais sofisticada da cidade, frequentada principalmente pela alta sociedade local e por turistas. O ambiente é mais tranquilo comparada com a Szechenyi, pois esta fica muito mais cheia. Para quem quer relaxar e não dividir o espaço com dezenas de pessoas, a melhor opção é realmente a Géllert.

A piscina principal da casa de banho é toda circundada por colunas romanas. Além disso, no teto do local há uma claraboia com entrada de luz natural. Géllert é bem mais luxuosa e menos popular que Szechenyi. Vale a pena para quem estiver com o orçamento bem folgado para a viagem

Algumas dicas:

  • Muitas das casas de banho em Budapeste oferece outros serviços como tratamento de beleza e massagens.
  • Lembre-se de levar toalhas próprias e roubas de banho. As casas os oferecem, mas vai cobrar um adicional no preço por conta disso. E dependendo do lugar, esse adicional acaba saindo caro. Na dúvida leve a própria roupa de banho.
  • As casas de banho não funcionam somente no verão, mas também no inverno, principalmente as piscinas externa. Mesmo em baixas temperaturas, as águas ficam entorno de 30°C.

Para quem estiver procurando por algo diferente em Budapeste, este é o principal roteiro. Não só vale pela experiência, mas também para conhecer de perto com são os costumes húngaros, pois são bem diferentes dos dos brasileiros.

Foto: alfredoaramburu.blogspot.com