Mala inteligente

Dicas para fazer a mala ideal
Organização das malas
Viajar é uma experiência maravilhosa, isso ninguém discute. Mas, como tudo na vida, possui algumas partes mais chatas ou burocráticas e a organização das malas é uma dessas.

Além da preocupação com o peso (pois você terá que carregá-la em alguns momentos  essa não é uma experiência muito agradável) sempre temos a preocupação de esquecer algo muito importante e acabamos levando mais peças do que o necessário.

E não adianta consultar matérias sobre como otimizar o espaço da bagagem: a mudança precisa partir do modo como você pensa na distribuição de roupas. Para te ajudar, apontamos algumas mudanças que podem trazer menos peso para carregar e mais segurança naquilo que se está levando.

Tamanho da mala: se a ideia é não sofrer muito com o peso e a viagem é curta, descarte os modelos grandes e opte pelas valises de tamanho médio e com rodinhas. Também é importante atentar para o peso da mala, pois se você já tiver dificuldades de carrega-la sem nada dentro, imagine quando estiver abarrotada de coisas.

Vale a pena optar por modelos que possuam compartimentos extras no lado de fora ou alguns espaços internos, para te ajudar a organizar os itens menores, como roupas íntimas e meias. Sem esquecer a resistência e os itens de segurança, como cadeado, para viagens de avião.

Combine: acontece um fenômeno bastante interessante durante a montagem da mala, que é quando começamos a fantasiar as mais diversas situações que possam ocorrer durante a viagem e que precisamos estar bem vestido s para elas.

Com poucas exceções, mantenha-se fiel ao clima do lugar em que você vai, os passeios que deseja fazer e procure levar roupas que combinem entre si. Assim é possível contar com um “traje reserva” que ainda não foi usado e já garante um bom corte no número de roupas que for usar. Uma b ao sugestão é escolher as roupas e montar a mala sem companhia, para não cair em tentação com os avisos de “quem sabe pode acontecer” que as pessoas costumam dar nessa ocasião.

A regra dos dois sapatos: um sapato confortável para o dia a dia e outro par mais produzido para possíveis eventos de noite. E, no máximo, um chinelo ou sandália. Levar mais do que essa quantidade de sapatos é quase certeza de carregar bagagem extra, espaçosa (atire a primeira pedra quem nunca sofreu para enviar os sapatos na mala) e que dificilmente terá todas as peças usadas.

Foto: lachicadelfagot no flickr

Autor: Mônica Wanderley

Blogger na rede The Diktyo SL.Bacharelado em Jornalismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *