Passeio de trem em natureza fechada no Paraná

Paisagem da Mata Atlântica

Nada melhor para relaxar do que sentir o cheirinho do mato contemplando magnificas belezas naturais serranas de grande expressão geográfica. A natureza silvestre está misturada com os diversos tipos de construções ferroviárias que vem sendo construídas há séculos. A ferrovia com a natureza nos remete à história nostálgica. O trajeto entre Curitiba e Morretes de trem traz construções históricas e belezas naturais da Serra do mar, a maior área serrana ambientalmente protegida no país por lei federal.

A Estação Ferroviária de Curitiba está constantemente cheia de pessoas ávidas para fazer o longo trajeto histórico ferroviário que dura aproximadamente 3h. Dentro do salão de embarque existe uma brilhante maquete muito bem arquitetada sobre o caminho percorrido. A plataforma de embarque possui todo o traço antigo de ferroviais construídas há centenas de anos. A buzina de partida ainda funciona, e muito bem, estrondosas buzinadas são lançadas pelo maquinista em uma partida bastante barulhenta. Ele sai todo dias as 8h15 em ponto da Estação.

O passeio começa na cidade, porém, aos poucos o clima verde vem tomando a tona. Em menos de uma hora não se nota que há instantes atrás se estava em uma região metropolita. Um guia turístico explica para os visitantes as características da geografia e construções existentes no caminho. Na verdade nota-se a presença do campo em pleno litoral paranaense.

Quanto mais se avança mais a natureza parece engolir o trem. São aproximadas 125 mil espécies de plantas, uma riquíssima fauna. Existem longas cachoeiras e represas que banham o ambiente. Durante a viagem de 3h, em um trecho com mais de 100 km de extensão, o trem faz apenas uma parada na Estação Marumbi. Ali é possível notar um onipresente conjunto de grandes montanhas que cercam as imensas árvores presentes.

A construção da Ferrovia começou em 1880 dentro desta parte serrana de mar que é o maior trecho de proteção ambiental do gênero do país, mais de 12 mil quilômetros quadrados de Mata Atlântica. Contudo, quem gosta de engenharia também se delicia, são: 30 pontes, 14 túneis e diversos viadutos, cada um com sua singularidade estética. A construção mais admirada pelos turistas é a Ponte São João, 55 metros de altura.

A sensação de estar flutuando no céu acima da natureza quando se está trafegando pelo Viaduto Carvalho é maravilhosa, situado na encosta de uma grande rocha. É muito parecido como uma montanha russa, porém em ambiente natural e com velocidade inferior, prolongando a adrenalina e a visão panorâmica para os visitantes.

Foto: Gustavo Leme no Flickr

Autor: Renato Duarte Plantier

Redator na rede de blogs The Diktyo SL. Coproprietário e Redator de blogs informativos em AsemioticanaWeb

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *