Entenda o seguro viagem

Saiba mais sobre o seguro de viagem

Muitos pensam que para viajar basta apenas a passagem, a reserva do hotel e as malas prontas. No entanto, existem muitos outros aspectos que devem ser levados em consideração pelo turista em potencial, principalmente para destinos internacionais. Sem informações previas, a viagem pode acabar antes do esperado e o que era para ser um momento de alegria, transforma-se em confusão. Antes de mais nada, é importante analisar a legislação do país para o qual se pretende viajar, no que diz respeito a entrada de turistas estrangeiros, a fim de saber se é necessário um visto e, em caso, afirmativo, qual modalidade. Entender um pouco da cultura e dos costumes também é de suma importância. Existem países, como a Arábia Saudita, que não permitem demonstrações de afeto nas ruas (beijos, abraços e nem mesmo andar de mãos dadas) e para casais que não são oficialmente casados, é proibido dormir no mesmo quarto no hotel. Para os desavisados, existem multas altíssimas ou, em casos extremos, até penalização a ser cumprida na cadeia. Outro item que não deve ser descartado é a  carteira de motorista. Para os que pretendem alugar um carro no exterior e aproveitar as vantagens de conhecer o destino com as próprias pernas (ou rodas!), deve-se analisar o que as autoridades locais dizem a respeito. Muitos países aceitam a carteira de motorista brasileira normal, enquanto outros solicitam uma carteira internacional e em inglês.

Como podemos perceber, são muitos os itens que merecem atenção especial durante a preparação da viagem. Um dos mais importantes e, no entanto, ainda desconhecido por boa parte dos turistas é o seguro viagem.

Imagine a seguinte situação: você está em uma viagem a turismo ou fazendo um intercâmbio no exterior e sofre um acidente. Por mais chata que seja esta hipótese, ela não pode ser descartada. E então, o que você faz diante desta situação? Saiba que uma consulta médica em países europeus pode chegar a custar mais de 100 euros (o equivalente a aproximadamente 240 reais, segundo cotação do Banco Central do Brasil em 30/03/2012 ). Nos Estados Unidos, o valor é ainda maior,  cerca de 200 dólares ou 360 reais. Imaginemos então, qual seria o valor de exames médicos, internações, cirurgias ou outros procedimentos em hospitais. Ao contratar um seguro viagem,  além de contar com gastos inferiores, o turista tem a assistência da seguradora para todo e qualquer problema.

De acordo com o artigo “Seguro Viagem” trata-se do seguro que garante “assistência médica em caso de enfermidade ou acidente, cobertura de gastos com medicamentos e serviços odontológicos, indenização suplementar à da companhia aérea por perda de bagagem, ajuda em caso de perda de documentos, serviços de localização e identificação de bagagens, auxílio em problemas jurídicos e até traslados do corpo, em caso de morte”. Sem dúvida, os valores correspondentes a cada um destes serviços varia de acordo com a seguradora escolhida e a modalidade de apólice contratada.

Este seguro é obrigatório para quem pretende viajar para um dos países que fazem parte do Tratado de Schengen. São eles: Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Grécia, Itália, Islândia, Luxemburgo, Noruega, Países Baixos, Portugal e Suécia. Este tratado foi determinado pela CET, sigla para Comissão Europeia de Turismo, que é uma entidade sem fins lucrativos fundada em 1948 e com sede em Bruxelas, na Bélgica. O objetivo desta organização é promover os destinos turísticos europeus. Segundo a RZ Turismo “por esta comissão, foi convencionado que os cidadãos brasileiros não precisam de visto de entrada nos países integrantes do Tratado de Schengen. Esta regra vale para viagens de turismo e por um prazo máximo de 90 dias. Isto porém, não exime os viajantes de cumprirem as regras do espaço de Schengen que são:

  1. Apresentar passaporte com validade superior a 6 meses
  2. Possuir bilhete de viagem aérea (ida e volta) com permanência máxima de 90 dias
  3. Portar comprovante de alojamento (a obrigatoriedade de apresentação destes itens varia de país para país, ficando a critério das autoridades destes a exigência do cumprimento dos requisitos. No caso do não cumprimento destas formalidades, os turistas brasileiros podem ter sua entrada no país negada ou dificultada)
  4. Possuir seguro de saúde (está acordado entre os países da União Europeia  a obrigatoriedade de um seguro de Assistência a Viagens com cobertura mínima de trinta mil euros para eventuais despesas médicas de cada turista, que deverá portar um comprovante do mesmo)”

Normalmente,  o seguro viagem já está incluído no pacote turístico. Em caso negativo, o turista pode solicitar diretamente através das corretoras de seguro ou por meio das próprias agências de viagem.  Para aqueles que possuem seguro de vida, é importante checar com a seguradora se existe alguma cláusula que cubra eventuais imprevistos no decorrer da viagem.  Ou ainda verificar com as empresas de cartão de crédito, visto que, atualmente, muitas delas oferecem esta vantagem aos portadores do cartão internacional. Naturalmente, o preço do seguro varia de acordo com a seguradora, o tempo de permanência e o destino escolhido.  Estudantes geralmente têm bons descontos.

Na apólice de seguro são especificadas as coberturas, os números de telefone que auxiliam o segurado no exterior e as instruções de como proceder em cada caso.  O ideal é ter sempre a mão os telefones de contato com a seguradora e o número do seu contrato. O procedimento varia de acordo com cada companhia, mas caso necessite de atendimento de urgência em hospitais não credenciados, o segurado pode pedir reembolso dentro do limite de cobertura estabelecido.

O importante é que o seguro não seja visto apenas como um gasto adicional. Ele é garantia de tranquilidade em caso de qualquer fatalidade no decorrer da viagem. Segundo o artigo “Brasileiros estão viajando mais para o exterior, mesmo fora de temporada”, de Junho/2011, os brasileiros estão mais conscientizados da importância do seguro e muitos inclusive não se restringem a contratar somente quando há obrigatoriedade por parte do país de destino. Isso revela uma mudança gradual no perfil dos turistas brasileiros, que agora se mostram mais preocupados com sua saúde e segurança e com os gatos que teriam no caso de não contarem com um plano de assistência.

Desta forma, antes de embarcar para qualquer viagem internacional por motivo de turismo, estudos, estágio ou trabalho, é fundamental que seja contratado um seguro para garantir comodidade, segurança e tranquilidade durante toda a viagem.

Foto: euescrevo.com.br

Autor: Jacqueline Michelleto

Profissional da área de Corporate Finance com experiência internacional.Mestre em Business Intelligence pelo INSA Business School – Barcelona / Espanha.Administradora de empresas

4 comentários em “Entenda o seguro viagem”

  1. Adorei a abordagem. Sempre contrato este tipo de serviço quando viajo. Já escapei de várias situações desconfortáveis. Depois de muito viajar entendi que melhor do que um Seguro Viagem, a contratação de uma Assistência Viagem é mais abrangente e bem mais protetora. Nos últimos anos tenho usado os serviços da Assist-Card (www.assist-card.com.br)e estou bastante satisfeita com os serviços deles. Eu indico esta empresa. Abraço! Espero ter contribuido!

  2. Olá! Muito bom artigo. Eu sempre uso estes tipo de serviço em minhas viagens profissionais e com a família. Vale a pena ser prudente. Há mais de 15 anos uso a Assist-Card que é uma das mais tradicionais e exoerientes nesse segmento e possuem um trabalho muito sério e profissional. Na minha viagem à Europa torci meu pé e fui atendida por eles em menos de 40 minutos, com qualidade. Além disso, recebi diversas ligações para confirmar se eu estava bem. Fica minha dica. Abraço!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.