O crescimento das viagens de navio no Brasil

Navios de cruzeiros oferecem muito conforto e luxo

Os cruzeiros estão sendo muito requisitados pelos turistas brasileiros. Antes, a viagem que parecia reservada a certo tipo de segmento de público começa a abrir certas portas para grande população trabalhadora. Trocar experiências pessoais e profissionais, praticando outras línguas como a inglês e espanhol, acaba sendo um grande atrativo para convidados e empregados do navio. Sem contar as atividades a bordo, quanto mais atraentes maior é o público. Certamente que após a viagem marítima à sua network ficará muito mais ampla.

As condições para o desenvolvimento do turismo marítimo brasileiro são excelentes. Existe mais de sete mil quilômetros de costa banhada pelo onipresente Oceano Atlântico. O clima tropical e as belezas naturais presentes no caminho possuem belezas singulares, principalmente às praias. As empresas nacionais do setor investem pesado diante a alta perspectiva de mercado. De acordo com a pesquisa realizada pela Marsans, o número de passageiros que partem e desembarcam de dentro do país subiu 400% entre 2004 e 2010, um aumento de 140 mil para 720 mil viajantes.

Hoje em dia existem quase 250 navios oficiais que transportam seis milhões de pessoas em todo o mundo, movimentando quase US$ 45 bilhões por ano. Apesar do Brasil já ser o quinto grande mercado interno de cruzeiros no mundo, a procura internacional fora da América Latina pela costa brasileira ainda é baixa devido ao alto preço causado pela baixa infra-estrutura marítima existente em terras tropicais. Acontece que os navios europeus, americanos e asiáticos estão ávidos para vir, porém, não existe estrutura para que o fluxo de navios fique constante sem haver congestionamento. Por isso, viajar pela costa mais linda do mundo de navio ainda é um privilégio um pouco mais restrito ao povo latino-americano, pois diante o problema de fluxo, os preços de partida dos outros continentes para cá são bem abusivos.

Mais do que investir no público interno do país é necessário tratar do público externo. O Estado Maior deveria estruturar a costa brasileira para rumar para o topo do ranking de viagens de cruzeiros no mundo. Segundo o CLIA (Cruise Lines International Association), Bahamas e o Caribe são os locais de mais procura com 51% das buscas por destinos. O mediterrâneo é o segundo com 15% dos turistas, seguido por Alasca e costa do México. Na Florida e no Caribe existem quase 30 embarcações que transportam 33 mil pessoas com caráter de cruzeiro a cada 10 dias, gerando mais de 15 mil empregos.

É importante ressaltar a importância das atividades realizadas no navio. Quanto mais atividade oferecida por menos preço maior será a demanda do público. Atrações internacionais são tão normais quanto às nacionais para os planos de viagens mais conhecidos.

Porém, mais importante do que o boom de eventos que ocorre em cima do navio é a balança comercial que auxilia o PIB – a construção e adequação de mais terminais especializados em turismo marítimo são essenciais para melhorar o fluxo de navios nos portos e na costa brasileira. Diante de tudo, o aquecimento do turismo marítimo brasileiro só ferve mesmo internamente.

Foto: .Robert. no Flickr

Autor: Renato Duarte Plantier

Redator na rede de blogs The Diktyo SL. Coproprietário e Redator de blogs informativos em AsemioticanaWeb

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.