Perda de passaporte no exterior!

A perda do passaporte durante a viagem é um problema porque é necessário quando não estamos no nosso país

Existem algumas situações que podem deixar a viagem internacional bastante complicada, como nos casos onde o passaporte é perdido. Nessas horas o visitante deve estar preparado para enfrentar uma grande problemática que pode prendê-lo ainda mais no país estrangeiro. Tempo e dinheiro são as maiores vítimas. O mesmo veredito ocorre para quem possui o documento roubado. Veja o que fazer quando um passaporte é perdido no exterior.

Neste momento desfortunado da vida, o visitante deve procurar prontamente algum consulado ou embaixada que represente o país de origem e solicitar um documento substituto. É hora de iniciar uma grande busca em um ponto adicional à prévia programação da viagem.

Vale ressaltar que caso o turista esteja em alguma cidade onde não existe representação do Estado maior brasileiro será necessário reservar maior tempo para procurar a representação oficial em outra cidade vizinha.

Normalmente estes órgãos só trabalham em dias úteis, diminuindo a oferta de serviços disponíveis em fins de semanas ou feriados.

O tempo de entrega é estendido nos meses de julho, dezembro e janeiro. Isso ocorre porque o setor de passaportes fica muito mais movimentado sendo que movimentação turística atinge o máximo do índice anual nos respectivos períodos.

Em um mundo tão grande e cheio de regras antagônicas, cada país possui uma exigência diferente. Porém, uma coisa é certa, se existir embaixada ou consulados, na mesma região, a última opção deve ser consultada nos casos de perda uma vez que eles são os responsáveis diretos para resolver à problemática.

Vale dizer que não existe nenhum tipo de serviço de urgência disponível no mercado. Na prática o tempo à emissão acaba ficando totalmente a mercê da demanda de serviço ou disponibilidade da autoridade consular. O valor pago é o de US$160 (que será pago com moeda tipo real ouro), contudo algumas taxas extras podem surgir.

Seguro de Viagem

Existem dois tipos de seguros mais comuns que auxiliam o viajante, contudo o acesso é bastante limitado. Um oferece assistência via telefone, o outro disponibiliza um empréstimo, fora a cobertura de serviços que é muito mais ampla, cobrindo estadia e alimentação nos dias extras pernoitados.

O turista só paga quando voltar para o Brasil, o valor será acrescido de taxas adicionais que variam em cada companhia seguradora. A regra tarifária diz que a quantia do novo documento gerado deve estar acrescida de multa por remarcação. Contudo, passageiros de classe executiva não precisam pagar a tarifa se possuírem bilhete “Full Fare”.

Leia Mais:

Cuidados na hora de viajar com crianças

Mala extraviada, e agora?

Foto: Sem Paradeiro no Flickr 

Autor: Renato Duarte Plantier

Redator na rede de blogs The Diktyo SL. Coproprietário e Redator de blogs informativos em AsemioticanaWeb

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.