Torre de Londres, essência da Inglaterra!

A Torre de Londres iluminada à noite

Quem gosta do classicismo ou de histórias clássicas e reais sobre a Inglaterra não pode deixar de ir à torre de Londres quando visitar o país. As riquezas usuais dos magníficos castelos europeus não são notadas por aqui, a não ser é claro pelas misteriosas joias da rainha situadas em uma câmara secreta. Conheça a real essência de um dos maiores símbolos dos ingleses. Veja as características da Torre de Londres.

A torre é composta por sete hectares e se encontra no majestoso centro londrino, a esquerda da cidade, na região de Borough de Tower Hamlets. A construção foi inaugurada por Guilherme o Conquistador, no ano de 1078, quando era servida como uma fortificação militar. O resto dos muros romanos é uma enorme atração até os dias atuais.

A função primordial da estrutura era de servir como residência nobre até meados do séc. XVII. Desde então a Torre passou por uma grande variação, sendo que já foi até mesmo palco oficial da Casa da Moeda. Neste sentido, internamente a estrutura é bastante composta e tematizada de acordo com diversas passagens da rica história inglesa.

As joias da coroa britânica são tidas como os artefatos que possuem maior valor monetário dentro do local. Elas estão misteriosamente guardadas em uma câmara subterrânea. A luxúria, bastante natural de castelos ou templos europeus, não está explicitamente presente no ambiente. Talvez esta seja uma tentativa, bastante inglesa por sinal, de sempre incentivar os traços da realeza.

Não existem imensos jardins ou grandes construções arquitetônicas. O forte está à beira do Tâmisa, o conjunto de torres é composto por diversas cores que simbolizam uma essência medieval antagônica internamente em cada pilar.

Diversas lendas cercam o lugar, uma delas é sobre o assassinato dos filhos do Rei Eduardo IV que assombram e transformam cada movimento em um mistério. Durante épocas negras de uma Inglaterra clássica, ser mandado para Torre significava prisão adicionada de torturas dos mais diversos tipos.

Torre dos Corvos

Seguindo toda mística obscura, no local existem sete corvos oficiais que possuem as penas aparadas e que cercam o templo praticamente todos os dias. Estes animais selvagens já foram bastante naturais na cidade, eles passam por frequentes tratamentos veterinários a fim de evitar as transmissões de doenças aos visitantes.

A enorme Torre Branca situada no centro é cercada por um conjunto de outras trinta que formam a muralha medieval. Este artefato normando, com mais de 90 pés de altura e uma enorme grossura nas paredes extremamente rústicas e maciças, é cercado por diversos rios e lagos que são ótimos para desfrutar um autêntico e calmo passeio inglês em campos bastante serenos e calmos.

Quem deseja saber um pouco mais sobre a Inglaterra medieval não pode deixar de ler o artigo escrito por Miriam Waltrick: York, uma dama moderna com ares medievais.

Foto: stewartmorris no Flickr 

Autor: Renato Duarte Plantier

Redator na rede de blogs The Diktyo SL. Coproprietário e Redator de blogs informativos em AsemioticanaWeb

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.