Turismo em Cavernas

A Gruta de Ubajara é uma caverna localizada no município brasileiro de Ubajara, Ceará

Uma das maiores razões que nos levam a viajar é a chance de conhecer lugares novos e paisagens diferentes que não encontramos em regiões próximas a nossa casa. E que tal explorar paisagens que normalmente se encontram abaixo do nível da terra? Essa é a proposta do turismo em caverna, conhecido também como espeleologia.

Segundo a Sociedade Brasileira de Espeleologia, o país possui atualmente 5.577 cavernas cadastradas, de tamanhos que podem variar de 84 quilômetros (a extensão da Toca da Boa Vista, localizada na Bahia, a maior caverna do Brasil e do Hemisfério Sul) como a apenas algumas centenas de metros. Todas as regiões do país possuem alguma caverna, o que pode servir de auxílio para quem deseja conhecer essa modalidade turística.

Mas por que, se existem tantas cavernas, a espeleologia não é tão praticada no país? O principal motivo é a preservação do local: as cavernas normalmente são mais frágeis que outras regiões e as chances de danos são muito maiores. Portanto, toda a visita precisa ser extensamente programada, para evitar algum distúrbio à caverna.

O visitante também precisa ser preparado para esse tipo de passeio turístico: como as cavernas possuem uma fauna e temperatura muito peculiares, ele precisa ter a consciência de que deve causar o mínimo de perturbação possível e contribuir para a conservação da mesma, não jogando lixos, não alimentando animais e muito menos caindo na tentação de levar “uma pedrinha de nada” para casa. Sempre vale a pena lembrar que as cavernas demoram milhares de anos para criar forma e que, se a pedra está naquele lugar, deve se por algum motivo muito importante.

Outro fator que pode servir para limitar essa modalidade de turismo é o fato de que é necessário possuir algum preparo para se aventurar nas cavernas: por vezes pode ser necessário escalar ou nadar por alguma etapa da travessia.

 Mas, para quem se aventura por uma caverna, a sensação é inesquecível. O seu clima único proporciona uma iluminação fora do comum, além das formas esculpidas na pedra, que ganham formas das mais diferentes. Como exemplos podemos citar a já falada Toca da Boa Vista,  a caverna de Santana em São Paulo, a Gruta da lapinha, que fica em Minas Gerais, ou a Gruta de Ubajara, localizada no Ceará.

Foto: Wendley no Flickr 

Autor: Mônica Wanderley

Blogger na rede The Diktyo SL.Bacharelado em Jornalismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *